Mesa redonda sobre Experiências, Desafios e Perspectivas de Proteção de Direitos Humanos e Realização da Justiça durante a Pandemia da COVID-19: Uma Oportunidade para Dialogar com a Sociedade

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

 Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados de Moçambique

TERMOS DE REFERÊNCIA

Mesa redonda sobre Experiências, Desafios e Perspectivas de Proteção de Direitos Humanos e Realização da Justiça durante a Pandemia da COVID-19: Uma Oportunidade para Dialogar com a Sociedade

  1. Contextualização

A ORDEM DOS ADVOGADOS DE MOÇAMBIQUE (OAM), cujas atribuições estatutárias incluem a defesa do Estado de Direito Democrático, dos direitos e liberdades fundamentais dos cidadãos e a participação na boa administração da justiça, está a levar a cabo, através da sua Comissão de Direitos Humanos – CDHOAM em parceria com a OSISA, um projecto sobre protecção dos direitos humanos no contexto da Pandemia da COVID-19.

É nesse contexto que a OAM está a organizar uma mesa redonda simultaneamente presencial e online (webinar) com o Provedor de Justiça, a Comissão Nacional dos Direitos Humanos e a Procuradoria-Geral da República sobre o tema epigrafado no dia 11 de Dezembro de 2020, entre 08:00Hrs às 10:30Hrs no Hotel VIP, Cidade de Maputo.

O Provedor de Justiça, a Comissão Nacional de Direitos Humanos, a Procuradoria-Geral da República e a Ordem dos Advogados são instituições de natureza pública com atribuições e competências e matéria de direitos humanos e da justiça, sobretudo no que diz respeito a actuação da Administração Pública na sua relação com os particulares.

Ora, com a eclosão da pandemia da COVID-19, o sistema da administração da justiça passou a enfrentar desafios e experiência de vária índole que tem impactada sobre os direitos e liberdades fundamentais dos cidadãos, bem como na justiça social, constitucionalmente consagrada.

Considerando que a situação da pandemia da COVID-19 ainda prevalece, sem previsão de quando a mesma vai cessar, resulta importante uma abordagem das instituições supra sobre as cautelas, desafios e atitudes a ter em conta tanto por parte dos órgãos e agentes da Administração Pública como dos particulares, de modo a se garantir maior protecção dos direitos humanos e realização da justiça neste chamado novo normal que se prolonga.

É, pois, nestes termos que a Ordem dos Advogados de Moçambique, com vista a reflectir sobre os contornos desta pandemia e explicar a sociedade sobre o papel articulado destas instituições na realização da justiça em tempos de COVID-19 chama a uma mesa redonda de alto nível os seguintes oradores:

  1. Digníssimo Procurador-Geral Adjunto da República de Moçambique;
  2. Digníssimo Provedor de Justiça da República de Moçambique;
  3. Sua Exa. Presidente da Comissão Nacional dos Direitos Humanos;
  4. Ilustre Bastonário da Ordem dos Advogados de Moçambique.

 

  1. Âmbito e justificação

A OAM realiza esta mesa redonda tendo em conta os seguintes fundamentos:

  1. A protecção dos direitos humanos constitui uma fonte de desenvolvimento e de realização da justiça social. É, pois, um dos principais desafios de sobrevivência social e económica, especialmente para os grupos mais vulneráveis em tempos da COVID-19.
  2. Moçambique é um Estado de Direito e de justiça social que tem como um dos seus objectivos fundamentais a criação do bem-estar material, espiritual e a qualidade de vida dos cidadãos, bem como a defesa e promoção dos direitos humanos e da igualdade dos cidadãos perante a lei.
  3. No entanto, várias medidas tomadas pelo Estado e a actuação de determinadas autoridades para a efectivação dessas medidas mostraram-se irrazoáveis, desproporcionais e excessivas de tal modo que se traduziram em significativas violações de direitos humanos e, em muitos casos, sem a correspondente responsabilização dos prevaricadores.
  4. São frequentes os casos de injustiça, falta de transparência e informação de interesse público relativamente as medidas tomadas no contexto da pandemia da COVID-19, conforme é o caso da gestão do orçamento alocado para fazer face à mesma pandemia.
  5. A fome e a falta de rendimentos resultante da medida “fica em casa” e a incerteza sobre o que é permitido fazer e o que é proibido perante a mão dura das autoridades é deveras problemático, de tal modo que a luta pela sobrevivência é feita de forma clandestina, sobretudo para os que buscam a fonte da vida no sector informal.
  6. É ainda preocupante o facto de existir comportamentos infundados que limitam o exercício dos direitos fundamentais dos cidadãos como por exemplo, a educação, a liberdade de circulação e a segurança pública.
  7. A difícil responsabilização do Estado, dos seus agentes e órgãos por violação dos direitos humanos no contexto da Pandemia da COVID-19.
  8. A necessidade de a Ordem dos Advogados de Moçambique sensibilizar e partilhar com o público experiências e mecanismos de responsabilização pela violação dos direitos humanos.
  9. Existência de sentimento de insegurança relativamente ao futuro dos direitos humanos enquanto durar a Pandemia da COVID-19.

 

  • Objectivos:

Geral:

A OAM pretende aproximar as instituições de justiça aos cidadãos para maior proteção dos direitos humanos e realização da justiça em tempos de COVID-19, tendo por base um diálogo franco entre as instituições de justiça e a sociedade em geral.

Específicos:

  • Fortalecer o conhecimento dos participantes em matéria de protecção e promoção de direitos humanos.
  • Promover uma comunicação estratégica entre as instituições de justiça e os cidadãos em matéria de protecção dos direitos humanos e realização da justiça no contexto da Pandemia da COVID-19.
  • Promover a transformação institucional com vista a construção de uma nova imagem estadual com capacidades sobre direitos humanos, bem como de prevenção e resolução justa dos conflitos e dificuldades em virtude da Pandemia da COVID-19, tendo em conta os novos desafios e exigências de direitos humanos.
  1. Metodologia

A Mesa Redonda será feita com base numa forte componente  interactiva, tendo por base a visão, experiências e desafios de cada instituição interveniente e a discussão com os participantes sobre justiça em tempos da COVID-19..

  1. Critérios de participação

O evento será presencial, para o máximo de 30 pessoas em observação rigorosas das medidas de distanciamento social e outras para evitar a propagação da COVID-19.  A participação também será online através da plataforma Zoom (webinar).

  1. Duração da Mesa Redonda

A Mesa Redonda  será realizada  das 08:00 Hrs às 10:30Hrs


Resultados Esperados

  • Efectiva interação entre as instituições de justiça e os cidadãos.
  • Partilha de informações chaves e de interesse público no contexto da COVID-19
  • Divulgada estratégia, visão ou desafios das instituições de justiça em questão sobre a COVID-19 e o reforço da protecção dos direitos humanos

Local: Hotel VIP, Cidade de Maputo.

Data: 11 de Dezembro de 2020, das 08:00 00Hrs às10:30Hrs

Entrar na reunião Zoom
https://zoom.us/j/6061849692?pwd=WDNwUHZVdTYvZWkrZWhqL29BU2FVUT09
ID da reunião: 606 184 9692
Senha de acesso: 111220

Por uma Ordem Inclusiva, ao Serviço do Advogado e do Estado de Direito Democrático.

 

MESA REDONDA EM PDF
Termos de Referência
Programa

Deixe uma resposta

Close Menu